sexta-feira, 8 de agosto de 2014

ACERCA DO DIVÓRCIO - VERDADES BÍBLICAS

Muitos nos procuram para perguntar acerca de divórcio e novo casamento.
O que a Bíblia diz a respeito?
Por que este ou aquele ministério tratam a questão de uma maneira, enquanto vocês tratam de outra?
Quais textos vocês usam para pregar o que pregam?
Bem, estas questões sempre nos cercam.
Pelo fato de termos tido uma experiência abençoada e vitoriosa em superar o divórcio, cremos que podemos abençoar os que sofrem.
Estamos completando 13 anos de casados, e temos também bagagem de um casamento bem sucedido, bem como dezenas e dezenas de ministrações que pudemos, pela graça de Deus, oferecer a casais que sofriam.
Assim, estamos seguros do que cremos, dos fundamentos que lastreamos o que ensinamos, e, principalmente, pela bênção de Deus sobre as vidas que cuidamos.
Mas porque há tanto engano no trato com os divorciados?
Creio que, principalmente, muitos que ministram realmente nunca estudaram com profundidade o assunto.
Não precisaram por que não doeu em suas vidas pessoais.. E glória a Deus por isso!
E "comeram pela mão de outros"... Receberam "pratos prontos", e repassaram.
Isso não foi o que aconteceu conosco.
Até por que quero ser muito bíblico no que pratico, precisei estudar acerca do tema para minha própria vida e saúde emocional pessoal.
E cheguei a algumas conclusões que apresento abaixo.
Inicio este estudo tratando das famosas palavras de Jesus, que, supostamente, teria dito que quem casa com uma mulher separada comete adultério. Ela e seu cônjuge são adúlteros, praticando adultério continuado.
Será?
Você leu o texto? Leu mesmo? Leu o texto da Lei que Jesus e os fariseus mencionam na conversa?
Mesmo?
Bem, ainda que você tenha lido, ou creia que leu, eu o convido a reler comigo.
Ou, a talvez, ler os textos pela primeira vez.
Por que isso é importante?
Porque muitos que tratam da questão do divórcio se utilizam desta conversa de Jesus com os fariseus como se fosse o único texto bíblico sobre o tema.
E ainda mais, não avaliam nem analisam as palavras utilizadas por Jesus dentro de seu contexto, e, ao fazê-lo, não entendem a verdade dos princípios bíblicos sobre o divórcio.
Começando nossa reflexão sobre o tema neste texto que é o mais usado, com as próprias palavras de Jesus registradas pelo, precisamos entender que Ele nem mesmo estava ensinando sobre casamento, divórcio, família, nem nada parecido.
Jesus estava ensinando sobre princípios de Justiça (Mateus 5:20) que dão acesso ao Reino.
Portanto, todas as palavras devem ser entendidas dentro deste contexto, pois, inclusive, Jesus usa ênfases beirando o “exagero” como uma figura de linguagem muito usada biblicamente, quando, por exemplo, Ele propõe que olhos e mãos sejam arrancados (versos 29 e 30), significando que Ele espera que a pessoa sofra o prejuízo, mas pratique atos de justiça.
Assim, com isso em mente, vamos entender melhor o contexto da frase: quem repudiar a sua mulher, DÊ-LHE carta de Divórcio.
Ou seja, o contexto do ensino é sofra o prejuízo financeiro, mas libere sua mulher do casamento.
Este ensino se alinha com o contexto de dar a outra face, dar a capa e a espada, andar a segunda milha, sempre no sentido de liberar a pessoa, conforme o conteúdo do ensino de Jesus.
Mas SEMPRE mantendo o espírito do texto original dado a Moisés, agora interpretado por Jesus, e aprofundado por Suas palavras: “ouvistes o que foi dito... MAS eu vos digo”...

Mateus 5:1 Vendo Jesus às multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; 2 e ele passou a ensiná-los, dizendo: 3 Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus. 4 Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.5 Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos. 7 Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8 Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus. 9 Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. 10 Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. 11Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. 12 Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós. 13 Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; 15 nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. 16 Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. 17 Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. 18 Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra. 19 Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus. 20 Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus. 21 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. 22 Eu, porém, vos digo que todo aquele que sem motivo se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo. 23 Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24 deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta. 25 Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão. 26 Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo. 27 Ouvistes que foi dito: Não adulterarás (3). 28 Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou (3) com ela. 29 Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno. 30 E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não vá todo o teu corpo para o inferno. 31 Também foi dito: Aquele que repudiar (2) sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. (1)

Há uma diferença entre a palavra grega traduzida como repúdio (2), usada na frase de Jesus: “quem repudiar” e a palavra grega traduzida como divórcio (1), usada na frase: dê-lhe “carta de divórcio”.
Trata-se de um processo, composto por duas ações. Primeiro, repudiar, na sequência, dar carta de divórcio.
A título de ilustração, quero reforçar que este era o mesmo modelo praticado aqui no Brasil até algum tempo atrás, quando não era permitido que alguém se divorciasse “direto”. Era necessário haver em primeiro lugar, uma “separação”, e, decorrido um prazo de dois anos, poderia haver o “divórcio”. E uma pessoa que era apenas “separado”, não poderia se casar até que fosse “divorciado".
Repúdio é simplesmente encerrar o relacionamento, e mandar a mulher embora.
Já dar carta de divórcio é gerar um documento legal, que dava direito á mulher de se casar novamente, como veremos na análise do texto da Lei dada a Moisés mais à frente neste texto. Envolvia uma reparação financeira que deveria ser dada pelo marido para a mulher, que era associada à carta de divórcio.
Quanto às palavras usadas por Jesus: “Divórcio” e “Repúdio”, veja a seguir que são duas palavras diferentes no original grego, com pesos diferentes, conforme vemos na referência de traducões do grego do respeitado estudioso STRONG:

(1) DIVÓRCIO: G647  ἀποστάσιον apostasion ap-os-tas'-ee-on  neutron de um (suposto) adjetivo de um derivado de G868; Divórcio. Repúdio. Carta de Divórcio.

(2) REPÚDIO G630 ἀπολύω  apoluō ap-ol-oo'-o De G575 and G3089;
1) libertar, 2) deixar ir, despedir, (não deter por mais tempo); 2a) um requerente ao qual a liberdade de partir é dada por uma resposta decisiva; 2b) mandar partir, dar liberdade para partir 3) deixar livre, libertar.

32 Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar (2) sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera (3); e aquele que casar com a repudiada comete adultério (3).

Aqui, para mim, é clara a compreensão...
Se a mulher é repudiada por relações sexuais ilícitas, é uma adúltera.
Entretanto, o que a repudia (não o que dá carta de divórcio) a “expõe a tornar-se adúltera”, posto que seria dispensada de sua vida de casada, sem recursos e sem um documento (carta de divórcio) que a restitui a um estado civil que lhe permite casar novamente.
É o mesmo caso que encontramos na lei brasileira, como já falei.
Uma mulher separada não poderia casar novamente. Precisaria ser divorciada para ter o direito de casar de novamente.
E neste caso, ou seja, estando a mulher ainda ligada ao antigo marido legalmente, é claro que, quem casasse com ela (com a repudiada no texto de Mateus ou a apenas separada na lei brasileira), cometeria adultério, por que esta mulher não estria desembaraçada para um novo casamento. É uma mulher apenas repudiada, que não tem a carta de divórcio.
Aproveito aqui para analisar que Jesus usou uma mesma palavra para tratar do adultério da repudiada, quando a mulher é exposta a tornar-se adúltera, quanto no momento do texto em que Ele condena o homem que olha para uma mulher com desejo impuro no coração.
Eu NUNCA vi este mesmo peso ser dado para avaliar, por exemplo, líderes da igreja que pecam com o olhar impuro para mulheres na congregação, como quando a questão é analisar se uma se a pessoa que passa pela tragédia da separação, pode casar de novo.
Nunca vi algum líder cristão ser considerado tão adúltero se olhar para uma jovem de sua igreja, quanto para avaliar a tragédia de um casal que passa por divórcio e deseja ter uma nova chance.
Entendo que os pastores deveriam tratar ambas situações com o mesmo peso, ou seja, a forma como homens olham para mulheres da mesma forma como tratamos os divorciados em segundas núpcias na igreja. Afinal, o texto em seu contexto nos dá esta autorização...
Creio que você vai concordar comigo, esta ênfase não tem sido dada quando este assunto é tratado em nossas igrejas. O divorciado é "apedrejado", mas quem olha errado, ninguém vê...

(3) ADULTERAR G3431 μοιχεύω moicheuō moy-khyoo'-o De G3432; 1) cometer adultério, 1a) ser adúltero. 1b) Cometer adultério com, ter relação ilícita com a mulher de outro.

(3) G3432 μοιχός moichos  moy-khos' Talvez, palavra primária; 1) Adúltero 2) Metaforicamente, alguém que é infiel a Deus, descrente.

33 Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás rigorosamente para com o Senhor os teus juramentos. 34 Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis; nem pelo céu, por ser o trono de Deus; 35 nem pela terra, por ser estrado de seus pés; nem por Jerusalém, por ser cidade do grande Rei; 36 nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto. 37 Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno. 38 Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. 39 Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; 40 e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa. 41 Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas. 42 Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes. 43 Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. 44 Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; 45 para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. 46 Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? 47 E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? 48 Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.

Nesta nova situação a seguir, Jesus também não estava ensinando sobre casamento, divórcio, nada...
Na verdade, os fariseus O EXPERIMENTAVAM.
Todas as vezes que eles se achegaram a Jesus, com intenção de O colocarem em situação de criarem uma armadilha, Ele sempre os confrontou e derrotou. E sempre subiu o tom nas suas respostas.

Mateus 19: 3 Vieram a ele alguns fariseus e o experimentavam, perguntando: É lícito ao marido repudiar (2) a sua mulher por qualquer motivo?

(2) REPÚDIO G630 ἀπολύω  apoluō ap-ol-oo'-o De G575 and G3089;
1) libertar, 2) deixar ir, despedir, (não deter por mais tempo); 2a) um requerente ao qual a liberdade de partir é dada por uma resposta decisiva; 2b) mandar partir, dar liberdade para partir 3) deixar livre, libertar.

4 Então, respondeu ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher 5 e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? 6 De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. 7 Replicaram-lhe: Por que mandou, então, Moisés dar carta de divórcio (1) e repudiar? (2)

(Veja que aqui percebemos mais uma vez a existência de uma separação conceitual entre repúdio e divórcio. Enconramos uma admoestação de Jesus para que não haja a separação.
E seus interlocutores acrescentam a questão da carta de Divórcio.

(1) DIVÓRCIO: G647  ἀποστάσιον apostasion ap-os-tas'-ee-on  neutron de um (suposto) adjetivo de um derivado de G868; Divórcio. Repúdio. Carta de Divórcio.

(2) REPÚDIO G630 ἀπολύω  apoluō ap-ol-oo'-o De G575 and G3089;
1) libertar, 2) deixar ir, despedir, (não deter por mais tempo); 2a) um requerente ao qual a liberdade de partir é dada por uma resposta decisiva; 2b) mandar partir, dar liberdade para partir 3) deixar livre, libertar).

8 Respondeu-lhes Jesus: Por causa da dureza do vosso coração é que Moisés vos permitiu repudiar (1) vossa mulher; entretanto, não foi assim desde o princípio. 9 Eu, porém, vos digo: quem repudiar (1)

(Aqui, novamente, Jesus vai tratar de quem casa com a repudiada, que neste caso comete adultério. A repudiada não tem um estado civil adequado para um novo casamento. Isto fica claro no texto de Moisés (que veremos em seguida), pois no texto da Lei, uma mulher que recebeu carta de Divórcio casou novamente não foi condenada como adúltera! E naquele tempo, se fosse considerada adúltera, seria apedrejada!)

sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério e o que casar com a repudiada comete adultério. 10 Disseram-lhe os discípulos: Se essa é a condição do homem relativamente à sua mulher, não convém casar. 11 Jesus, porém, lhes respondeu: Nem todos são aptos para receber este conceito, mas apenas aqueles a quem é dado. 12 Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino dos céus. Quem é apto para o admitir admita.

Marcos 10:1 Levantando-se Jesus, foi dali para o território da Judéia, além do Jordão. E outra vez as multidões se reuniram junto a ele, e, de novo, ele as ensinava, segundo o seu costume. 2 E, aproximando-se alguns fariseus, o experimentaram, perguntando-lhe: É lícito ao marido repudiar sua mulher? 3 Ele lhes respondeu: Que vos ordenou Moisés? 4 Tornaram eles: Moisés permitiu lavrar carta de divórcio e repudiar. 5 Mas Jesus lhes disse: Por causa da dureza do vosso coração, ele vos deixou escrito esse mandamento; 6 porém, desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher. 7 Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe e unir-se-á a sua mulher, 8 e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne. 9 Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem. 10 Em casa, voltaram os discípulos a interrogá-lo sobre este assunto. 11 E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela. 12 E, se ela repudiar seu marido(!) e casar com outro, comete adultério.

Veja que incrível este texto acima, no Evangelho de Marcos!
Jesus trouxe a mulher para um papel impensável na sociedade da época, quanto a sua cidadania e valor pessoal, a partir desta declaração...
A mulher não tinha este direito! E Jesus considerou seu direito igual ao do homem...
E tocou novamente no ponto! O ensino de Jesus deixa claro que o problema não é o divórcio ou o novo casamento. A origem do problema é a dureza de coração!
Neste outro texto bíblico abaixo, veremos qual é o entendimento real da questão: Jesus não estava falando de casamento, divórcio, sexo ou algo parecido...
No texto de Lucas 16 Jesus estava falando sobre dinheiro!
A questão real é que eles não queriam dar carta de divórcio por que teriam que pagar...

Lucas16:1Disse Jesus também aos discípulos: Havia um homem rico que tinha um administrador; e este lhe foi denunciado como quem estava a defraudar os seus bens. 2 Então, mandando-o chamar, lhe disse: Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, porque já não podes mais continuar nela. 3 Disse o administrador consigo mesmo: Que farei, pois o meu senhor me tira a administração? Trabalhar na terra não posso; também de mendigar tenho vergonha. 4  Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas. 5  Tendo chamado cada um dos devedores do seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deves ao meu patrão?6 Respondeu ele: Cem cados de azeite. Então, disse: Toma a tua conta, assenta-te depressa e escreve cinqüenta. 7Depois, perguntou a outro: Tu, quanto deves? Respondeu ele: Cem coros de trigo. Disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta. 8 E elogiou o senhor o administrador infiel porque se houvera atiladamente, porque os filhos do mundo são mais hábeis na sua própria geração do que os filhos da luz. 9 E eu vos recomendo: das riquezas de origem iníqua fazei amigos; para que, quando aquelas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos. 10 Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito. 11 Se, pois, não vos tornastes fiéis na aplicação das riquezas de origem injusta, quem vos confiará a verdadeira riqueza?12 Se não vos tornastes fiéis na aplicação do alheio, quem vos dará o que é vosso?13 Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. 14  Os fariseus, que eram avarentos, ouviam tudo isto e o ridiculizavam. 15 Mas Jesus lhes disse: Vós sois os que vos justificais a vós mesmos diante dos homens, mas Deus conhece o vosso coração; pois aquilo que é elevado entre homens é abominação diante de Deus. 16 A Lei e os Profetas vigoraram até João; desde esse tempo, vem sendo anunciado o evangelho do reino de Deus, e todo homem se esforça por entrar nele. 17 E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da Lei. 18 Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido também comete adultério. 19 Ora, havia certo homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente...

Como acabamos de ver, todo o contexto é relativo ao AMOR AO DINHEIRO! A questão dos fariseus NUNCA foi relativa ao Divórcio, por que no Divórcio, era pago o devido à mulher...
A questão era o Repúdio, por que neste caso, pelo amor ao dinheiro, às riquezas, os judeus NÃO pagavam o que era devido à sua mulher para manda-la embora...
Esta era a verdadeira dureza do coração dos judeus... e Jesus tocou exatamente no ponto! Não os chamou de adúlteros, mas tocou na questão de que não podiam servir a dois senhores, pois “Deus conhece seus corações”!
Agora, aqui vamos ver o texto da Lei, dada por Deus a Moisés, que é citado nas conversas de Jesus e os fariseus. Veja que na Lei, em nenhum momento a questão de novo casamento será tratada como adultério, pois o contexto é Divorcio! Carta de Divórcio!.
Aqui na Lei, além de repudiar, deve ser dada “carta de Divórcio”. “Despedir a mulher” é dar o recurso adequado para que ela saia de seu vínculo anterior, e inicie uma nova vida.
E veja que contrariando o que muitos líderes ensinam, há uma declaração de que o que é ABOMINAÇÃO AO SENHOR, é o fato de uma mulher voltar para o primeiro marido depois de ter tido outro casamento!

Deuteronômio 24: 1 Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio (1), e lho der na mão, e a despedir de casa; 2 e se ela, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem; 3 e se este a aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio (1), e lho der na mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer, 4 então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a desposá-la para que seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é abominação perante o SENHOR; assim, não farás pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança.

(1) DIVÓRCIO H3748 כּריתוּ kerîythûth ker-ee-thooth' De H3772; Divórcio. Demissão. Separação.

A Palavra hebraica usada aqui é “kerethooth”, que significa Divórcio.
Portanto, fica claro que se Jesus, em suas discussões com os fariseus, estivesse tratando de divórcio, Ele jamais diria que aquela mulher teria se tornado adúltera por casar novamente. Fica assim ainda mais claro, que ele estava tratando de outra situação, que era a de repúdio.
Veja ainda que no texto da Lei, Moisés, inspirado por Deus, tratou de divórcios e novos casamentos de uma maneira “quase que natural”...
Digo isso pois, segundo a Lei, se alguém cometesse adultério, deveria ser apedrejado (a)...
E também quem tivesse se deitado com tal pessoa.
Se fosse este o caso para mulher do texto acima, tanto ela quanto o homem que se casou com ela, pela MESMA Lei dada a Moisés, ela seria apedrejada junto com o homem que deitasse com ela. O que, claramente, não aconteceu...
Veja o texto sobre adultério na Lei:

Levíticos 20:10 Se um homem adulterar com a mulher do seu próximo, será morto o adúltero  e a adúltera.

Indo mais adiante pela Palavra, buscando os textos de ensino sobre divórcio, veremos que o Profeta Jeremias trata do mesmo princípio, mas usa uma outra palavra, ao falar com relação à repudiada. E aqui ele trata daquele tema que já tratei acima, sobre a pessoa que, divorciada,  casou com outra pessoa e, por este motivo, não pode voltar ao primeiro marido.
Aqui veremos que nem mesmo a repudiada, (que não recebeu carta de Divórcio), PODE voltar ao primeiro marido. Seu retorno é proibido por Deus!
Veja o texto...

Jeremias 3:1 Se um homem repudiar (1) sua mulher, e ela o deixar e tomar outro marido, porventura, aquele tornará a ela? Não se poluiria com isso de todo aquela terra? Ora, tu te prostituíste com muitos amantes; mas, ainda assim, torna para mim, diz o SENHOR.

(1) REPÚDIO H7971 (1) שׁלח shâlach  shaw-lakh' 1) Enviar, despedir, deixar ir, estender. 1a3) Mandar embora. Deixar solto.

Aliás, vemos que até mesmo o Senhor decidiu dar Carta de Divórcio a Israel por causa do seu adultério! Aqui a palavra usada é a mesma usada por Moisés no registro da Lei sobre divórcio.

Jeremias 3:8 Quando, por causa de tudo isto, por ter cometido adultério, eu despedi a pérfida Israel e lhe dei carta de divórcio, (1) vi que a falsa Judá, sua irmã, não temeu; mas ela mesma se foi e se deu à prostituição.

(1) DIVÓRCIO H3748 כּריתוּ kerîythûth ker-ee-thooth' De H3772; Divórcio. Demissão. Separação.

Nem mesmo o famoso trecho recitado de cor por todos aqueles que nunca estudaram o tema, mas repetem determinado verso como papagaios, de que Deus odeia o divórcio...
Bem, nem mesmo aquele texto foi traduzido corretamente...
Na verdade, a palavra que foi usada, é que Deus odeia o REPÚDIO!
Isto é claro pelo contexto de que a mulher em uma situação exposta...
“Que se dê carta de Divórcio”, pois foi este o termo que o SENHOR usou para despedir Israel. DEUS NÃO SUPORTA O REPÚDIO!

Malaquias 2:16 Ainda fazeis isto: cobris o altar do SENHOR de lágrimas, de choro e de gemidos, de sorte que ele já não olha para a oferta, nem a aceita com prazer da vossa mão. 14 E perguntais: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. 15 Não fez o SENHOR um, mesmo que havendo nele um pouco de espírito? E por que somente um? Ele buscava a descendência que prometera. Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. 16 Porque o SENHOR, Deus de Israel, diz que odeia o repúdio (1) e também aquele que cobre de violência as suas vestes, diz o SENHOR dos Exércitos; portanto, cuidai de vós mesmos e não sejais infiéis.

(1) REPÚDIO H7971 (1) שׁלח shâlach  shaw-lakh' 1) Enviar, despedir, deixar ir, estender. 1a3) Mandar embora. Deixar solto.

Agora, o texto do Apóstolo Paulo. A admoestação é não se separem. SE, porém, ocorrer uma separação, que se reconciliem... mas veja que neste caso, não houve outro relacionamento intermediário, pois Paulo não faz referência a isso... Não trata de adultério.
Como Paulo conhecia perfeitamente a Lei, ele não cairia neste erro...
Assim, a sua admoestação é que não se separem!
Se separarem, neste caso sim, RECONCILIEM-SE!

I Coríntios 7:10 Ora, aos casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe (1) do marido 11 (se, porém, ela vier a separar-se (1), que não se case ou que se reconcilie com seu marido); e que o marido não se aparte (2) de sua mulher.

(1) SEPARAR G5563 χωρίζω chōrizō kho-rid'-zo De G5561; separar, divider, partir, quebrar em pedaços, separar-se de, despedir-se.

(2) APARTAR G863 ἀφίημι aphiēmi af-ee'-ay-mee De G575 e ἵημι hiēmi enviar para outro lugar, mandar embora ou partir

Vemos ainda este texto de Isaías, que nos deixa também a impressão de que Deus considerou que havia repudiado Israel em um momento de indignação. Na verdade, a palavra traduzida como repudiada é uma palavra diferente da usada em Malaquias e em Jeremias, por que Deus não poderia repudiar Israel, por que isto seria contrário ao Seu caráter, pois Ele detesta o repúdio.

Isaías 54:4 Não temas, porque não serás envergonhada; não te envergonhes, porque não sofrerás humilhação; pois te esquecerás da vergonha da tua mocidade e não mais te lembrarás do opróbrio da tua viuvez. 5 Porque o teu Criador é o teu marido; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome; e o Santo de Israel é o teu Redentor; ele é chamado o Deus de toda a terra. 6 Porque o SENHOR te chamou como a mulher desamparada e de espírito abatido; como a mulher da mocidade, que fora repudiada (1), diz o teu Deus.7 Por breve momento te deixei, mas com grandes misericórdias torno a acolher-te; 8 num ímpeto de indignação, escondi de ti a minha face por um momento; mas com misericórdia eterna me compadeço de ti, diz o SENHOR, o teu Redentor. 9 Porque isto é para mim como as águas de Noé; pois jurei que as águas de Noé não mais inundariam a terra, e assim jurei que não mais me iraria contra ti, nem te repreenderia.

(1) REPUDIADA H3988  מאס mâ'as maw-as' Rejeitar, desprezar, refugar.

Por último, ao concluir este estudo, apresento outros textos de ressalvas às REPUDIADAS, a partir de uma outra palavra, não usada nos textos que vimos até agora:

Levítico 21:7 Não tomarão mulher prostituta ou desonrada, nem tomarão mulher repudiada (1) de seu marido, pois o sacerdote é santo a seu Deus.
Levítico 21:14 Viúva, ou repudiada (1), ou desonrada, ou prostituta, estas não tomará, mas virgem do seu povo tomará por mulher.
Levítico 22:13 Mas, se a filha do sacerdote for viúva ou repudiada (1), e não tiver filhos, e se houver tornado à casa de seu pai, como na sua mocidade, do pão de seu pai comerá; mas nenhum estrangeiro comerá dele.
Ezequiel 44:22 Não se casarão nem com viúva nem com repudiada (1) mas tomarão virgens da linhagem da casa de Israel ou viúva que o for de sacerdote.

(1) REPUDIADA H1644גּרשׁ gârash gaw-rash'  lancer for a, expulsar, atirar for a, mandar embora, divorciar, por for a, jogar fora, perturbar.

Embora um dos significados da palavra hebraica poderia ser traduzido como divórcio, vemos que é uma palavra diferente da que foi usada na tradução para Divórcio, na Lei, e nos demais casos que apresentamos acima; portanto, neste caso, é considerado de forma inadequada para ser restituída a uma vida normal. Diferente, portanto, da que foi traduzida como Carta de Divórcio, em que não havia restrições.

Conclusões:

  1. Deus é contra o repúdio, contra a separação, contra a quebra de alianças, contra o divórcio (a não ser em caso de relações sexuais ilícitas, pois ele figuradamente se divorciou de Israel por este motivo). Deus é contra a quebra de palavra, de aliança e de votos.
  2. Deus é contra o pecado. Estas atitudes são PECADO, pecado pelo qual Jesus morreu e nos trouxe perdão e reconciliação com Deus SE nEle cremos.... SE CONFESSARMOS OS NOSSOS PECADOS, ELE É FIEL E JUSTO PARA NOS PERDOAR OS PECADOS E NOS PURIFICAR DE TODA INJUSTIÇA.
  3. SE o divórcio precisa ser reparado para ser perdoado, ou seja, e apenas há perdão se acontecer a volta ao cônjuge anterior, ao estado original, não seria mais necessário o perdão do Senhor, mas passa a ser uma obra pessoal de restituição. E nesta mesma direção, os assassinos deveriam ressuscitar suas vítimas para reparar o pecado cometido... e assim deveria ser para todas outras situações de pecado.
  4. O divórcio por relação sexual ilícita NÃO É PECADO! Deus que é SANTO deu carta de divórcio a Israel por adultério espiritual!
  5. Deus igualou homens e mulheres na fala de Jesus em Marcos 10:12 e 13.
  6. O Divórcio é uma tragédia pessoal. Deus NÃO TEM PROVISÃO para solucionar todas as conseqüências do pecado do divórcio. Haverá sempre seqüelas na vida de todos os envolvidos na questão. Tanto na parte ofensora, quanto na ofendida. E, na verdade, o mesmo ocorre para quaisquer pecados, em que Deus não tem provisão para as conseqüências dos pecados em nossa vida terrena. TODOS os pecados têm conseqüências maiores ou menores aqui na terra. Deus opera sobrenaturalmente quando há genuíno arrependimento, e há muitos casos em que Ele, por Sua graça, atenuou as conseqüências havidas, mas, dependendo do pecado, teremos que lidar com as consequências em maior grau. Tanto a parte ofensora, como a parte ofendida... uma mulher inocente que tiver seu marido assassinado, terá que lidar com esta dor por muito tempo... poderá ser curada, mas sempre terá conseqüências... bem como o assassino, mesmo que se converta... ou mesmo ainda, se fosse um crente endurecido pelo pecado! Não há reparação para o pecado aqui na terra. No céu, entretanto, a partir do momento em que há arrependimento e confissão, NÃO HÁ MAIS REGISTRO. Aqui na terra, por outro lado, SEMPRE HAVERÁ REGISTRO.
  7. Falando em termos de REINO, nenhum divorciado conseguirá ter no segundo casamento os 100% de bênção que Deus tem para nós. Sempre haverá algo meio fora de lugar, meio desajeitado, embora, hoje, pela minha experiência, possa por enquanto apenas profetizar que, ao longo do tempo, o Senhor pode, por sua misericórdia, atenuar e muito estas dores relativas às conseqüências do divórcio e da experiência de um segundo casamento.
  8. AGORA, POIS, NENHUMA CONDENAÇÃO HÁ PARA OS QUE ESTÃO EM CRISTO JESUS, OS QUAIS NÃO NASCERAM DA VONTADE DA CARNE, NEM DA VONTADE DO SANGUE, MAS DE DEUS... QUEM OS CONDENARÁ? É CRISTO QUEM OS JUSTIFICA!

TEMAS ADICIONAIS: SEPARAÇÕES, ADÚLTEROS, DIVÓRCIOS E DIVORCIADOS NA BÍBLIA:

1.            A Rainha Ester
O Rei Assuero repudiou sua esposa Vasti, e tomou Ester como sua segunda esposa.
(Ester capítulos 1 e 2).
 
2.            Davi e Mical.
Saul deu MIcal, primeira mulher de Davi, para Palti, quando Davi fugiu (I Samuel 25:44). Davi casou com outras mulheres, mas posteriormente mandou buscar Mical (II Samuel 3:14). O retorno ao casamento não deu certo, e isso fica claro, no famoso texto (II Samuel 6:20-23) quando Mical zombou de Davi que vinha dançando diante da Arca do Senhor. Como consequência, ficou estéril... Creio que isso ocorreu por que, segundo a Lei de Moisés, como vimos, não há instrução de Deus para voltar para o primeiro casamento alguém que se divorciou. 
 
3.            Jesus e a mulher Samaritana
Jesus amou uma mulher que teve vários maridos (João 4:18). Ele falou com ela em público! Ela até mesmo se tornou uma missionária evangelista, pois voltou a Samaria e pregou para os seus parentes e amigos samaritanos, e os trouxe aos pés de Jesus. (João 4:29-30) E Jesus não mandou apedrejá-la.

4.            Jesus e a mulher adúltera
Jesus também não mandou que fosse apedrejada. Na verdade, disse: vai e não peques mais. (João 8:10-11) Não a condenou, mas perdoou!
 
 
 
Bem amigos, nós aqui do Ministério Cristão Alfa e Ômega somos absolutamente contrários ao divórcio. Não incentivamos, não apoiamos.
Somos bíblicos. Divórico é pecado.
Entretanto, amamos o divorciado. Pois cremos que Deus também ama.
Sabemos por experiência própria o quanto dói uma separação, e o quanto é necessário receber de Deus para superar as dores, e para encontrar um novo rumo pela Palavra.
Novo rumo que existe, que é bíblico, que conhecemos.
Se você foi excluído por divórcio, se ficou escondido por vergonha, se você não sabe como lidar com a dor do divórcio, conte conosco.
Venha a uma de nossas reuniões, pois teremos prazer em pastorear sua vida para um tempo de perdão, libertação, e renovação de mente.
Deus pode e quer mudar suas vestes de tristeza por vestes de louvor, trocar suas cinzas por óleo de alegria.
Deus odeia o divórcio, mas ama o divorciado.
Há perdão, restauração e restituição para os divorciados.
Deus abençoe sua vida.
Conte conosco.

Abraço,

Haroldo Maranhão

2 comentários:

  1. Bom dia! Pelo que vejo, primeiro afirma que Deus odeia é o repúdio e no fim já diz que divórcio é pecado e que Deus odeia o divórcio. Afinal odeia o repudio ou o divórcio? Porque se é as duas coisas está afirmando que significa a mesma coisa. E como pode explicar o fato de Deus dizer o que Deus uniu não separe o homem e que são os dois uma só carne? Aguardo resposta. Desde já, agradeço a vossa atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde!
      Grato irmã Cecy pelo interesse na questão e por me permitir ser ainda mais claro no que, talvez, não tenha sido no texto.
      Veja irmã que Deus odeia o repúdio, palavra escolhida, dependendo da versão que a irmã usa, e procuro no texto apresentar a palavra hebraica original.
      Mas veja que pelo contexto geral, Deus mais que isso, não tolera a deslealdade nas alianças, pouco importando neste sentido, portanto, se o fim do casamento é por repúdio ou divórcio.
      Ele odeia ambos, conceitualmente. Veja o texto de Malaquias:

      Malaquias 2:10-18 Não temos nós todos o mesmo Pai? Não nos criou o mesmo Deus? Por que seremos desleais uns para com os outros, profanando a aliança de nossos pais? Judá tem sido desleal, e abominação se tem cometido em Israel e em Jerusalém; porque Judá profanou o santuário do SENHOR, o qual ele ama, e se casou com adoradora de deus estranho. O SENHOR eliminará das tendas de Jacó o homem que fizer tal, seja quem for, e o que apresenta ofertas ao SENHOR dos Exércitos. Ainda fazeis isto: cobris o altar do SENHOR de lágrimas, de choro e de gemidos, de sorte que ele já não olha para a oferta, nem a aceita com prazer da vossa mão. E perguntais: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. Não fez o SENHOR um, mesmo que havendo nele um pouco de espírito? E por que somente um? Ele buscava a descendência que prometera. Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. Porque o SENHOR, Deus de Israel, diz que odeia o repúdio e também aquele que cobre de violência as suas vestes, diz o SENHOR dos Exércitos; portanto, cuidai de vós mesmos e não sejais infiéis.

      A questão que trato no post, é acerca da diferença de repúdio e divórcio para compreender o maior problema do relacionamento, que é quando alguém se tornará ou não adúltero em novo casamento. Essa é a questão principal que procuro tratar.
      De maneira clara, Deus registra em Sua Palavra que é contra o divórcio e nós aqui no Ministério também somos. Não fazemos apologia, não incentivamos.
      Mas cuidamos de pessoas que passam por esta triste experiência. A questão pastoral que temos tratado ao longo dos anos, é entender o estado da pessoa que passa por esta tragédia do divórcio em relação à possibilidade de novas núpcias. O que deve fazer. O que pode esperar. Como vai lidar com os problemas que virão nesta nova situação. O que a Bíblia oferece de recursos para lidar com isso.
      Concordo com a irmã que sim o que Deus uniu o homem não deve separar, e cremos que este é o princípio estabelecido por Deus para o casamento. Mas veja que foi o próprio quem Deus instruiu a Moisés acerca de como as pessoas deveriam proceder ao dar uma carta de divórcio, que se tornou necessário justamente por conta da dureza do coração das pessoas.
      Enfim, o divórcio é uma tragédia, sem provisão suficiente da parte de Deus para os que chegam neste fim de linha para o casamento, e casam novamente... mas sim, embora Deus odeie o repúdio, a quebra de alianças e o divórcio, ele ama o divorciado como ama qualquer pecador! O único pecado para o qual não há perdão, segundo lemos na Bíblia, é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Portanto, haverá perdão para o divorciado arrependido...
      Espero ter esclarecido minha posição, e também que este texto seja bênção na vida de outras pessoas que leiam sua questão e minha resposta.
      Permaneço a disposição se a irmã ainda quiser permanecer no esclarecimento do tema que tratamos aqui.
      Deus a abençoe!

      Excluir